Coluna CW: Nuvens sobre o Bitkom

Anonim
Heinrich Vaske, Chefredakteur der COMPUTERWOCHE.
Heinrich Vaske, editor-chefe da COMPUTERWOCHE.
Foto: escritório editorial da CW

Falar de algo amargo do Bitkom certamente seria exagerado, mas atualmente não há o presidente da Federação, August-Wilhelm Scheer. Por um lado, ele quer fazer um pouco mais de política industrial com seus bons contatos com Berlim (veja a cúpula de TI); a idéia de uma "nuvem alemã", que só foi dada vagamente até agora, é um exemplo disso (consulte o artigo on-line "Precisamos de uma nuvem alemã?").

Por outro lado, com empresas como Microsoft, IBM ou Hewlett-Packard, os maiores fabricantes de TI do mundo - todos dos EUA - são membros influentes da associação e do conselho. Além disso, eles também estão entre os maiores empregadores de TI do país e, com suas enormes redes de parceiros, empregam boa parte da classe média de TI.

Ninguém vai querer argumentar seriamente que essas empresas fazem menos por empregos, startups ou iniciativas de pesquisa alemãs do que suas contrapartes locais. Quanto menos os gigantes de TI compreenderem ações que tenham um sabor residual protecionista.

Mas a nuvem alemã tem uma gota de pele. Por fim, trata-se de fortalecer as empresas alemãs - e colocar obstáculos no caminho de fabricantes estrangeiros. Outros argumentos, incluindo aqueles relacionados à segurança, dificilmente são compreensíveis. Por muitas décadas, os usuários locais trabalham em conjunto com os principais fabricantes de TI com espírito de confiança, principalmente em relação a acordos de terceirização.

Mais artigos sobre "Nuvem alemã"

Scheer, presidente da Bitkom, em entrevista: "A nuvem alemã enfatiza nossos pontos fortes".

CW Background Report: Precisamos de uma nuvem alemã?

O Bitkom deve continuar a cuidar das condições da estrutura, para que empresas jovens e médias possam crescer e ter uma chance na nuvem. Deve se concentrar em tópicos como treinamento, financiamento de jovens empresas ou redução da burocracia. Se a associação progredisse, a política industrial estaria no melhor sentido da palavra. E a representação de interesses estaria mais próxima do setor de TI de médio porte, que é tão importante na Alemanha, e atualmente está procurando um novo lar na recém-apresentada Associação Federal de TI-Mittelstand (Bitmi).